Line Break - Projeto rugby inclusivo

Instituição: 
Objetivo: 
3 000 €
Prazo limite: 
28/04/2020 - 18:00
Localização: 
Coimbra, Portugal

Sobre o projeto

O que nos motiva para esta iniciativa é a vontade de quebrar as barreiras de acesso ao desporto, através do LINE BREAK -  Projeto rugby inclusivo. Este projecto único em Portugal, desenvolvido em Coimbra desde o início de 2019, envolve os utentes da Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra (APCC), e também de outras insituições, que sofrem de deficiências, em muitos casos provêm de meios socioeconómicos carenciados e situações familiares difíceis. Apesar dos benefícios do desporto serem bem conhecidos, existem ainda muitas barreiras à participação de uma grande parte da população no desporto. Essas barreiras são originadas por vários factores: problemas de saúde física ou mental, idade, deficiência ou incapacidade, inactividade prolongada, carências socioeconómicas ou a simples percepção de “não ser bom o suficiente”.

Precisamos da sua ajuda para financiar a aquisição de equipamentos para a equipa de rugby para os 25 elementos da equipa, melhorando significativamente as suas condições de treino e de jogo.

As âmbições deste projeto

Pretendemos participar em Junho de 2020, no campeonato do mundo de equipas de rugby mistas (IMART - International Mixed Ability Rugby Tornament), que se irá realizar em Cork, na Irlanda. Estão previstas participar 24 equipas, de 14 países, num total de 720 atletas. A equipa de rugby LINE BREAK - Projeto rugby inclusivo pretende ser a primeira equipa portuguesa a participar neste torneio mundial. Em condições normais, estas pessoas não teriam acesso à participação num desporto colectivo e a torneios internacionais desta relevância.

O LINE BREAK - Projeto rugby inclusivo pretende ajudar outras instituições na criação de equipas de rugby inclusivo, através da capacitação dos seus técnicos com formação específica de componentes técnicas do jogo de rugby e da sua adequação à pessoa com deficiência.

Acreditamos que através dos valores inerentes ao rugby será possível melhorar competências pessoais e sociais. 

Acreditamos que desta forma será possível promover a inclusão social e a igualdade de oportunidades.

O que é o Mixed Ability Rugby?

Esta vertente junta pessoas com e sem incapacidade física e/ou mental na mesma equipa. O jogo permite o contacto físico (placagem) entre jogadores. Esta iniciativa pretende promover formas inclusivas de rugby para pessoas com deficiência e incapacidade e contribuir para uma sociedade mais inclusiva e com hábitos de vida saudáveis. 

Quem são os nossos atletas?

Os nossos atletas estão incluidos em respostas sociais da APCC (Centro de Atividades Ocupacionais, Pré-Profissional e Unidades Residenciais) realizando diversas atividades durante o dia em diversas áreas como agricultura, artes manuais, tecelagem, informática, recolha de resíduos sólidos urbanos e teatro.

Parcerias

Foi celebrada uma parceria com o Comité de Rugby Regional do Centro (CRRC),  que disponibilizam os seus técnicos nos treinos da equipa. Deste modo, é possível melhorar as condições de treino dos nossos atletas. O CRRC contribui  ativamente na dinamização de atividades conjuntas com a APCC que inclui a formação de técnicos de outras instituições que queiram criar as suas equipas de Mixed Ability Rugby e na sensibilização dos clubes de rugby da região centro de Portugal para a inclusão social de atletas com deficiência nas suas estruturas.

Sobre Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra

Foi em 1975 que a actividade da APCC – Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra teve início, com o reunir de esforços de um grupo de pais e técnicos. Até 2005, esta Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos apelidou-se de NRC-APPC, ou seja, Núcleo Regional Centro da Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral. O Centro de Reabilitação de Paralisia Cerebral de Coimbra (CRPCC) foi logo criado, tendo como objectivo a reabilitação de crianças com Paralisia Cerebral e doenças neurológicas afins. Em Setembro de 1977, com a sua oficialização, o CRPCC passou a ter gestão própria. Em 1983, entrou em funcionamento a Quinta da Conraria, através de um protocolo com o Centro Regional de Segurança Social do Centro. Dava-se continuidade ao processo de reabilitação. A entrada de Portugal no mercado comunitário possibilitou o desenvolvimento de acções formativas. Em 1989, começava a Formação Profissional, cuja resposta foi sendo diversificada ao longo dos anos, de forma a responder a pessoas com deficiência e a jovens e adultos em risco de exclusão social, todos eles provenientes da região Centro. O Centro de Actividades Ocupacionais (CAO) foi criado em 1992, salientando o compromisso inicialmente estabelecido em termos de reabilitação e de integração da pessoa com deficiência. Na década de 90, iniciou-se a actividade em termos internacionais através de um projecto sobre novas metodologias de formação em pessoas com paralisia cerebral. Criou-se o Lar de Apoio e o Lar Residencial, respostas que pretenderam responder a clientes e famílias. Surgiram, também, os serviços abertos à comunidade. O âmbito de intervenção da APCC tem-se alargado cada vez mais. A instituição tem apostado na qualificação e especialização dos colaboradores, a fim de criar serviços de ponta. A sua missão é promover a inclusão social de pessoas em situação de desvantagem, com especial incidência nos que têm deficiência e/ou incapacidade.

O Comité Regional de Rugby do Centro  (CRRC) é a associação responsável  pelo desenvolvimento do rugby na Região Centro.  Criado em 1972 por um grupo de amigos com vista ao desenvolvimento do Rugby, organizou  em Novembro de 1973 o 1º Convívio Nacional de Rugby na região, acontecimento que determinou uma viragem nas estruturas então existentes do Rugby Juvenil. O CRRC desenvolve atividades protocoladas com a Federação Portuguesa de Rugby (FPR) e atividades próprias com vista ao desenvolvimento da modalidade na região. As atividades protocoladas centram-se na organização de torneios e convívios regionais de rugby, o apoio técnico aos clubes da região, a promoção do rugby feminino e as ações de sensibilização em escolas. Por iniciativa própria, destaca-se o apoio dado a Seleções Regionais, a organização de jogos internacionais, a promoção de formação desportiva e de projetos sociais, como é exemplo esta parceria no LINE BREAK-Projeto rugby inclusivo e esta participação no IMART 2020.

Orçamento e prazos

Após a angariação deste montante, será possível adquirir equipamentos para os nossos atletas num prazo estimado de 60 dias. Os equipamentos serão constituídos por:

  • 25 camisola de jogo
  • 25 calções de jogo
  • 25 pares de meias de jogo
  • 30 conjuntos de fato treino (casaco e calção)
  • 30 t-shirts
  • 30 mochilas para transporte de equipamento de treino
  • Estampagem de logótipos e numeração de camisolas

Imagens